Núcleos de Desenvolvimento ADRA na região da Paulistana festejam o dia da criança.

O dia começou cedo, às 5 horas da manhã. Para alguns, nem houve noite de sono. A ansiedade de quase 400 meninos e meninas no último dia 9 de outubro tinha nome: excursão de dia das crianças. O evento reuniu os seis núcleos de desenvolvimento da ADRA Brasil na região da Paulistana e marcou o início das comemorações que se estenderam por todo o mês com festas a fantasia, doces, filmes, presentes e muita brincadeira.

A previsão era de chuva, mas a terça feira amanheceu quente e ensolarada. Perfeita para um dia inteiro ao ar livre. Aos poucos os ônibus de excursão foram se aglomerando no estacionamento improvisado. De longe se viam os olhinhos curiosos nas janelas, como quem avalia o espaço para decidir por onde começar.

Campos de futebol, vôlei, pula pula, cama elástica, futebol de sabão, trilhas na natureza e parquinho brilhavam no horizonte do núcleo de Caucaia do Alto, localizado na área rural da cidade. O paraíso infantil foi parte das comemorações realizadas todos os anos durante o mês de outubro, pela administração dos núcleos da ADRA na Paulistana.

O pastor e diretor dos núcleos, José Ceribeli, comenta que estas oportunidades de reunião e lazer proporcionam às crianças – além de toda a diversão – a consciência de grupo e o fortalecimento dos vínculos. “Elas vivenciam o fato de que não estão sozinhas, e que estão crescendo juntas, em conjunto”, completa.

E elas adoram. Segundo a coordenadora Solange , a empolgação foi tamanha que às 6:30h da manhã já haviam crianças aguardando o transporte que sairia apenas às 8h. Para ela, muito além dos brinquedos montados, o que alegra as crianças é a possibilidade de fazer novos amigos.

“A ADRA traz para essas crianças o prazer de estar junto de outras crianças; não o simples fato de estarem brincando com água ou brinquedos infláveis, mas ter essa convivência também traz alegria para eles”, explica.

A pequena Geovana Vitória confirma: para ela o dia é especial porque tem desafios, brincadeiras e mais amigos. “A gente conhece bastante pessoas aqui”, fala e ri. Já o Luiz Felipe é categórico: “A gente veio aqui para jogar bola e se divertir um pouco”, afirma.

No decorrer do mês, as comemorações continuaram em cada núcleo. Houveram mais brinquedos infláveis, festas à fantasia, comida boa e entrega de presentes. Ao fim de tudo, em meio às gargalhadas e sorrisos escancarados, algo é consensual: a alegria e a certeza de terem vivido dias inesquecíveis.